Fetiche é quando uma pessoa sente atração por determinados objetos, partes do corpo ou situações que geralmente não são tipicamente eróticas. Especialistas diriam os fetiches surgem das vontades reprimidas ou ímpeto de libertação sexual. A verdade é que é possível ter um fetiche por qualquer coisa – mas, para muita gente talvez ainda seja difícil alcançar essa libertação, compartilhar os fetiches e realizá-los.

A imaginação é peça-chave no processo de identificação de desejos sexuais, por isso os filmes pornôs geram tanto interesse. Para realizar um fetiche, primeiro aceite que é uma parte natural do seu desejo sexual, depois tente comunicar suas necessidades abertamente com seu parceiro ou amigos dispostos a ouvir:

ALGUNS ESTUDOS MOSTRAM QUE HÁ MAIS HOMENS DO QUE MULHERES COM FETICHES, MAS ESSA ESTIMATIVA PODE ESTAR ENGANADA. NOS ESTADOS UNIDOS, PELO MENOS 1/4 DOS VÍDEOS ADULTOS PRODUZIDOS RETRATAM FETICHES.

1. Entenda que os fetiches são normais.

Alguns pesquisadores acreditam que os fetiches são tão comuns que devem ser vistos como parte da atividade sexual comum e saudável. É muito difícil realizar um fetiche se não o aceitá-lo como algo normal.

2. Identifique o fetiche.

Pés, peitos, mãos, barrigas, flatulências, membros amputados, sapatos, odores específicos, peles de animais e milhares de outras coisas, assim é o universo dos fetiches. Para aprender a aceitar o fetiche, identifique sem censura as coisas que lhe causam excitação.

3. Encontre outras pessoas que compartilham do mesmo fetiche.

Procure por grupos de apoio para pessoas que querem explorar diferentes formas de atração sexual. Também é possível procurar na internet, em fóruns ou em aplicativos de relacionamento nas redes sociais.

4. Converse sobre o tema.

Fale sobre o fetiche com autoconfiança, as chances do seu parceiro aceitar o seu fetiche são maiores se ele for tratado como uma experiência normal e segura.

5. Analise se o fetiche faz mal a alguém.

Embora não há nada de errado em ter um fetiche, não é certo que a prática cause mal a outra pessoa ou a você mesmo. O fetiche pode fazer mal caso fique tão obcecado a ponto de interferir no seu relacionamento, trabalho ou saúde.

6. Ouça.

Lembre-se de que já aceitou o fetiche e que para isso provavelmente foi necessário passar por um processo. Seu parceiro agora poderá aceitar seu fetiche também, e quem sabe até mesmo revelar os fetiches dele. Ouvir com atenção as preocupações, dúvidas e reações da outra pessoa ajudará a fortalecer seu relacionamento.

7. Explore sua sexualidade com segurança.

Para aproveitar melhor o fetiche, mantenha práticas sexuais seguras, saudáveis e consensuais. É importante lembrar-se de cuidar de si mesmo e do seu parceiro, tanto de forma física o quanto emocional.

8. Evite o isolamento.

Frustração sexual pode causar depressão, mas a sexualidade vai além do fetiche. Embora o fetiche possa desempenhar um papel importante na satisfação sexual, não é o que define o indivíduo.

PARA MUITAS PESSOAS, O FETICHE SÓ ESTÁ PRESENTE NO INÍCIO DA RELAÇÃO SEXUAL,
GERALMENTE PROVOCAM AS PRELIMINARES.

A comunicação é uma das partes mais importantes da relação sexual. Estudos mostram que nos relacionamentos em que os parceiros dialogam com transparência sobre suas questões sexuais, há mais chances de experimentação de fetiches mesmo sem compartilhá-los diretamente. Casais abertos a satisfazer os parceiros conseguem identificar o que lhe agradam e os momentos certos de provocar excitação. Lembre-se que o fetiche pode parecer arriscado, mas não deve colocá-lo em uma situação de perigo real. Procure por comunidades que incentivem práticas sexuais seguras. Converse com um psicólogo ou terapeuta especializado nessa área.

leiamais-rosa
Young Sensual Female Lying on Sofa and Taking Selfie at Home

 

UM NUDE, COMO PUDE!

Atualmente, ficar nu é fácil e todo o mundo fica – os nudes aquecem um tipo de revolução sexual no ambiente das redes sociais.

destaque-o-prazer-e-seu

 

O PRAZER É SEU

A indústria pornográfica não apenas se adapta, mas se incorpora cada vez mais à vida das pessoas e cria novas formas de consumo.