Há quem diga que “para bom entendedor, meia palavra basta”, mas como o jeito que nos comunicamos e nos informamos constroem ou distorcem a realidade?