Quais histórias estamos contando? Será que, ao invés de repetirmos o que crescemos ouvindo, podemos colaborar para que as crianças escrevam as suas próprias?