Partindo desta premissa e como parte especial da programação do Unlock CCXP, o GNT apresentou o seu estudo Meia Palavra, conduzido ao lado da empresa Inesplorato para falar sobre “A Comunicação e as trocas humanas”.

De acordo com Polika Teixeira, Gerente de Marketing do GNT, como parte da missão do canal de ser um farol para a sociedade, o objetivo era mergulhar no tema para entender como podemos melhorar a troca e o compartilhamento de conversas, além de se aprofundar nos desentendimentos contemporâneos, as chamadas ‘tretas’.

“Diálogo é o encontro de duas intencionalidades e acontece quando existe um acolhimento e transformação, a partir desse diálogo, ao receber o que o outro está trazendo”

O estudo partiu de um princípio de que, por pressuposto, toda comunicação é falha, ou seja, o receptor não decodifica a mensagem da forma como o emissor gostaria. “Diálogo é o encontro de duas intencionalidades e acontece quando existe um acolhimento e transformação, a partir desse diálogo, ao receber o que o outro está trazendo”, disse Debora Emm, fundadora da Inesplorato. Segundo a pesquisadora, as pessoas querem falar mais do que ouvir, por gostarem da sensação de estar no controle.

E se já é difícil se comunicar com os mais próximos, imagina o desafio que as marcas têm. Para German Carmona, Diretor de Marketing da Gol, que foi o mediador do papo, as pessoas querem trocas e experiências, por isso é preciso começar a pensar em outras formas de comunicação com os clientes, rever fórmulas de maneira não integrada.

“É interessante que vemos cada vez mais na indústria experimentos de uma abertura de caminhar em conjunto, a exemplo desses estudos”

As marcas estão fazendo um grande esforço acreditando que as pessoas estão ouvindo, quando na verdade elas não escutam nem mesmo os familiares e amigos mais próximos. Conseguir a atenção de alguém merece uma grande dedicação e uma das soluções para este desafio é estar junto de criadores e aprender a ouvir. “É interessante que vemos cada vez mais na indústria experimentos de uma abertura de caminhar em conjunto, a exemplo desses estudos”, aponta Carmona.

Ao escolher escutar, estamos dispostos a nos transformar e ser impactado pelos outros. “Quem conseguir garantir que a outra pessoa se comunique, tem uma ferramenta incrível nas mãos”, destaca Ana Paula Xongani do Influência Negra, um coletivo que pensa na participação negra no mercado publicitário e nas mídias digitais.

E mesmo a tecnologia agindo como facilitadora do processo de comunicação, de nada adianta o cruzamento de dados se eles não serão absorvidos. O cérebro precisa de tempo para fazer o cruzamento das informações. “Um dos pensadores entrevistados para o estudo Meia Palavra destaca que até mesmo o sono foi colonizado. As pessoas dormem menos e de maneira menos profunda, produzindo demais e descansando pouco. Cansados a gente não consegue escutar o outro”, conclui Polika.

Este artigo foi produzido a partir do painel apresentado pelo GNT no evento Unlock sobre o estudo Meia Palavra disponível aqui na plataforma Gente.

Sobre o Unlock - O evento é o pontapé inicial que acontece dias antes da abertura oficial da CCXP 2018. O encontro é focado nas oportunidades de investimento e empreendedorismo nos mercados de entretenimento e audiovisual.

Meia Palavra

 

MEIA PALAVRA

O poder da comunicação humana e suas nuances nos ajudam a desvendar as raízes dos desentendimentos contemporâneos, investigar a qualidade das trocas humanas e o reflexo disso na forma como enxergamos o mundo.

post_header_MF

 

A TRANSFORMAÇÃO JÁ ERA, OU MELHOR, JÁ É

O propósito das marcas, as inovações da tecnologia e o comportamento das pessoas estão em constante diálogo, não dá mais para separar um do outro.

compartilhe