As séries de TV têm sido ágeis em capturar o zeitgeist dos nossos tempos e entregar narrativas contemporâneas e envolventes, histórias que ajudam a contar nossas próprias histórias.

O buzz, a vida em série – onde os episódios se encaixam nos mais variados gaps da rotina, as causas e as marcas dentro do próprio conteúdo, as variadas questões de representação e representatividade, deixam claro que o conteúdo das séries invade a vida das pessoas e vice-versa, com muita relevância e intensidade. A história de uma série não se encerra nela mesma.

E o brasileiro é louco por séries!

Metade da população (51%) brasileira é ligada em séries. São pessoas de diferentes idades, classes sociais, estilos de vidas. Destes, a maioria (57%) já é apaixonada por séries e os demais são entrantes na categoria.

Temos a cultura do consumo de conteúdo audiovisual e as séries se tornaram ainda mais relevantes na correria e na fragmentação do nosso tempo.

perfis

Os resultados do estudo permitem apostar que, logo mais, ‘os entrantes’ também serão fisgados pela diversidade de narrativas, personagens apaixonantes e estética contemporânea.

old school
19%
OLD SCHOOL

O público old school vê as séries como mais uma opção de entretenimento. Seu repertório é básico e inclui séries da TV aberta. Para escolher a que assistir, contam com a ajuda das pessoas próximas e da mídia, por isso vivem em um ambiente mais restrito em relação às séries.

 65% - ouvi falar a 1ª vez sobre a série que mais gosto através de amigos ou familiares (demais segmentos, em média 54%).

 36% - ouvi falar a 1ª vez sobre a série que mais gosto na mídia (TV, jornais, revistas) (demais segmentos, em média 25%).

 25% - não gosto de rever séries clássicas (demais segmentos, em média 10%).

 25% - não costumo rever mais de uma vez minhas séries favoritas (demais segmentos, em média 9%).

Os entrantes na categoria são o perfil batizado de Old School que, zapeando, pára em uma série ou outra, e o perfil Fashion Slave, mais jovem, se rende ao buzz do seu círculo social.


23%
FASHION SLAVE

Para o fashion slave, o maior atrativo das séries é a novidade, é estar na moda. Como novato, esse perfil precisa de ajuda para escolher o que assistir. São seguidores de amigos e parentes e possuem repertório de séries que estão em alta. De forma coerente, escolhem onde assistir pela facilidade – para 47% é fácil e rápido encontrar o que se quer assistir.

 36% dizem “não” para - Gosto tanto de séries que já não posso viver sem elas (demais segmentos, em média 16%).

 21% dizem “não” para - Tenho na memória momentos da série como se eu tivesse vivido (demais segmentos, em média 9%).

 33% dizem “não” para - Quero ser o primeiro a assistir um novo episódio ou uma nova série (demais segmentos, em média 10%).

 26% dizem “não” para - Quando série nova é lançada, me programo para assistir de uma vez só (demais segmentos, em média 8%).

 20% dizem “não” para - O que mais gosto de ver na TV são as séries (demais segmentos, em média 3%).

Os perfis que já foram fisgados de alma e coração são o Soap Series que assistem a série como se fosse novela, de forma linear, acompanhando direitinho a sequência dos capítulos, e o Social Viewer que usa as séries como fonte de auto-conhecimento, expressão e relacionamento.


24%
SOAP SERIES

Para esse público, as séries funcionam como substitutas das novelas, embora algumas ainda as assistam. Como um passatempo, preenchem um tempo ocioso e representam um momento de descompressão e desligamento. As pessoas desse grupo gostam de histórias que tragam alguma lição de vida, que possam ensiná-las a lidar com situações difíceis. Assistem na TV e também no celular.

 51% - é importante assistir quando eu quero, no meu tempo (demais segmentos, em média 39%).

 39% - quero assistir no celular, tablet, computador (demais segmentos, em média 31%).

 39% - é importante ter marcação do episódio e da temporada (demais segmentos, em média 30%).


34%
SOCIAL VIEWER

Para o social viewer, as séries são vistas como capital social – consumi-las é um jeito de ter assunto e estar próximo das pessoas. Como o propósito é mais amplo, há uma multiplicidade de interesses e de repertório – as pessoas desse grupo lembram espontaneamente de 166 títulos diferentes e citam pelo menos um título entre 16 gêneros distintos.

 48% dizem - “Assisto mesmo a séries que não gosto, porque quero ficar por dentro”.

 89% - Não rejeitam nenhuma série.

 59% dizem - “Gosto de assistir a qualquer tipo de série, um grande fã assiste tudo, sem preconceitos!”.

No futuro, as séries de hoje vão contar a história de 2018. E quais personagens e histórias destas séries vão contar sobre você?

Maeda Camarcio Coletivo Tsuru

Idealizadora do Coletivo, Maeda é formada em propaganda e marketing pela ESPM, Fez mestrado em Gestão e Cooperação Cultural na Universidade de Barcelona. Como produtora de espetáculos trouxe aos Teatros Municipais de São Paulo e Rio óperas como Madama Butterfly e Carmem. Foi New Business e Coordenadora Parcerias Estratégicas nos Doutores da Alegria e na agência Agente de Moda, Maeda liderou projetos de co-brand entre marcas e estilistas, trabalhando com clientes como Avon e Kimberly-Clark e marcas de moda como Isabela Capeto, Ronaldo Fraga e Neon. Nos últimos anos Maeda foi diretora de planejamento da CO.R Inovação, onde se apaixonou pelas pesquisas como ferramentas para contar histórias e direcionar negócios e liderou cases para empresas importantes como Rede Globo, MasterCard, Hypermarcas, Itaú e Natura.

compartilhe

continue com gente

O consumo de séries do ponto de vista da neurociência

Durante toda a evolução da espécie humana, as histórias sempre estiveram presentes. Mas por que será nos envolvemos tanto com as narrativas assim?

21 jan 2020

por Globosat

Comportamentos Emergentes

Responsabilidade digital na era do streaming

Entenda a lei que pode mudar a maneira como apreciamos música e criar responsabilidades inéditas para empresas, artistas e fãs

22 out 2019

por Globosat

Expoentes Culturais

Deixa o conteúdo te levar

Não existem mais barreiras entre linear e digital. TV é o que você quiser. E isso é incrível

14 out 2019

por Globosat

Comportamentos Emergentes

Do controle remoto ao controle da história

Conteúdos interativos são repaginados em canais de streaming e retomam a participação ativa do público no rumo das histórias

17 out 2019

por Globosat

Comportamentos Emergentes

O que é TV?

Um panorama do que é a TV hoje em dia e da troca de influências com o mundo digital

19 set 2019

por Globosat

Comportamentos Emergentes

O plot twist das séries

Gente Investiga, programa #4: o consumo de séries em diferentes plataformas está a todo vapor. Mas desde quando elas despertam tanto interesse?

29 jul 2019

por Universal TV

Comportamentos Emergentes

O que elas assistem

As mulheres brasileiras mostram que estão aproveitando a variedade de conteúdos de vídeo e sabem o que querem assistir.

30 jul 2019

por MindMiners

Além do Gênero

Vertical x Horizontal: o dilema da visão pós-mobile

O conflito entre os dois formatos de visualização de conteúdo influenciam a indústria e a discussão sobre o futuro da experiência de consumo de informação.

10 jul 2019

por Bruno Maia

Comportamentos Emergentes

Quem vê tanta série?

No Brasil, 51% da população é ligada em séries. Ao perceber como um hábito para tantos brasileiros, é possível traçar perfis de audiência.

8 jan 2019

por Universal TV

Comportamentos Emergentes

Loucos por séries

Nós poderíamos contar a história dos dias de hoje através das séries que estão no ar. A arte tem esse poder que marca o tempo e cria memória.

14 jan 2019

por Coletivo Tsuru

Expoentes Culturais

Filmes & Séries: o protagonismo do tempo

O papel dos filmes e das séries em um mundo onde as percepções sobre tempo podem ser tão distintas

5 out 2018

por Telecine

Comportamentos Emergentes

Paixão em séries

Já sabemos que as séries se tornaram um poderoso fenômeno cultural que mobiliza milhões de espectadores – como este fenômeno se intensificou nos últimos anos e qual o impacto na vida dos brasileiros?

19 set 2018

por Universal TV

Expoentes Culturais