Mais de 49% das pessoas do planeta já ficam mais de três horas usando dispositivos móveis todos os dias e os conferem em média 80 vezes neste período. O sentido vertical da tela dos smartphones vem influenciando definitivamente a produção de conteúdo e gerando longas discussões entre os profissionais desta área sobre a predominância do eixo vertical na produção de imagens versus o tradicional eixo horizontal. 

Assim como acontece com a evolução das mídias que não necessariamente são responsáveis pela extinção da plataforma anterior, mas sim multiplicam-se às linguagens, o mesmo parece valer para a questão da tela.

Enquanto os olhos humanos forem alinhados horizontalmente, nosso corpo terá uma natural preferência por este estado de consumo. Vale a pena pensar na ideia de espectador ativo e passivo na hora de discutir esta questão, sabendo que cada um de nós possui as duas dimensões e faz uso de cada uma delas dependendo do contexto.

Young man using mobile phone at home
Quando se está sozinho, sem nenhuma tarefa a fazer (ou que possa ser feita naquele momento), sacar o celular é um gesto quase automático e nossa relação com o que assistimos é passiva neste momento. Abrimos, navegamos sem nada especial em foco e deixamos o feed nos mostrar o que vier aleatoriamente. Neste instante, nosso corpo e mente tem uma pré-disposição curta de aceitação de conteúdo e por isso fazem tanto sucesso os memes e informações de absorção imediata. Fazer o scroll vertical é o mais natural em função da tela vertical dos dispositivos móveis. Mas o fato é que não somos pacientes à informação verticalizada.
Friends at a cafe watching online video stream of their favorite sport
De outro lado, é muito provável que você tenha canais de conteúdo online que goste de consumir, ou mesmo plataformas de streaming com séries favoritas. Nesta hora, dificilmente se vai querer assistir na vertical. É mais provável até que você sincronize o conteúdo gerado pelo seu celular na sua TV para consumi-lo horizontalmente. Isso é natural quando se torna um consumidor ativo, com escolha, com a decisão de se estar à disposição de uma informação em um determinado momento. O corpo relaxa, encontra um conforto mais pertinente àquela atividade diante de uma tela horizontal. Afinal, tal qual o alinhamento dos nossos olhos, o sentido da visão é horizontal.

Quando se discute o formato do conteúdo é necessário partir da pergunta: será consumido passiva ou ativamente?

Não há verdades ou conclusões definitivas, mas perguntas inevitavelmente necessárias e uma certeza: somos vários ao longo de um mesmo dia. Entendendo a natureza do consumidor da informação e o momento em que se quer capturar atenção, o gerador de conteúdo terá mais possibilidades de ser eficiente e atingir o objetivo de conquistar o interlocutor. 

Fontes:
Facebook Sports Summit 2018
eMarketer 2018

Bruno Maia é fundador e CEO da 14 | Agência de Conteúdo Estratégico. EMBA na Berlin School of Creative Leadership, é também VP de Marketing do C.R. Vasco da Gama desde 2018.

leia-mais-azul

 

CRIATIVIDADE COMO VANTAGEM COMPETITIVA

Cannes Lions 2019: a aposta do Burger King e os mandamentos de Fernando Machado e Marcelo Pascoa para sobreviver ao Adpocalypse.

 

PLANO DO MÍDIA

A área de Mídia vem se reinventando nas agências de publicidade. Em uma série de três videos, grandes profissionais do setor falam sobre essa transformação.

compartilhe